Últimas Notícias

“O uso correto de pesticidas não deixa resíduos”, diz especialista



A nossa entrevistada da semana é a Dra. Eloísa Caldas, toxicologista da Universidade de Brasília (Unb), que atua nas áreas de toxicologia de alimentos, ambiental e de medicamentos, toxicologia experimental com roedores, avaliação de risco da exposição a resíduos e contaminantes, entre outros estudos.

Desde 1997 é membro do grupo de peritos em resíduos de pesticidas da OMS e FAO (JMPR). Colabora com instituições nacionais e internacionais, incluindo UQÀM e National Institute for Public Health and the Environment (Holanda). Tem mais de 70 artigos publicados e mais de 1500 citações.

1 – A Anvisa monitora a qualidade dos alimentos in natura há muitos anos e das 12 mil amostras pesquisadas, apenas 3% indicaram resíduos de produtos químicos acima do limite máximo permitido (LMR). O que isso quer dizer exatamente?


Isso quer dizer exatamente isto: 3% das amostras tinham resíduos acima do LMR, lembrando que este é um parâmetro que indica o uso correto do produto no campo (parâmetro agronômico), não tem relação com a toxicidade do produto nem com o potencial risco para a saúde humana

2 – Qual é a margem de segurança estabelecida? É verdade que ela está 100 vezes abaixo da dose nociva determinada, em laboratórios, para cobaias?


Não existe margem de segurança do LMR, que não tem nada a ver com ratos. A margem de segurança (normalmente 100) é aplicada quando se deriva a Ingestão Diária Aceitável (IDA). Nesse processo se aplica a margem de segurança para a dose em rato onde nenhum efeito adverso foi observado (no-observed adverse effect level, NOAEL), que leva em consideração a variabilidade na espécie humana (existem indivíduos mais sensíveis que outros) e a diferença de sensibilidade entre o rato e o homem, assumindo que o homem é mais sensível.

3 – Quais os benefícios da liberação de novos genéricos no mercado brasileiro?


Esse processo pode levar a maior competitividade no mercado, com preços mais justos para o agricultor

4 – Você pode nos dar algum dado que comprove que com o uso correto toda a sociedade ganha?


Dado específico não tenho, mas o uso correto de pesticidas no campo protege o agricultor e também não deixa resíduos desnecessários no alimento. Risco zero não existe, mas pode-se minimizá-lo.

5 – O que os players do setor podem fazer para combater as fake news em relação ao agrotóxico?


Investir em informação.


Fonte: AgroSaber

Nenhum comentário