Últimas Notícias

Prefeitura de Belo Horizonte investe para minimizar os riscos de enchentes

 
Durante todo o ano, a Prefeitura de Belo Horizonte desenvolve ações permanentes de redução de riscos de enchentes e proteção da população contra desastres. Este esforço envolve diversos órgãos da administração municipal, cada qual com sua vocação e que, juntos, compõem o sistema municipal de Defesa Civil. É um trabalho intenso desenvolvido nas nove regionais da cidade.

São realizadas desde a limpeza de bocas de lobo e fundos de vales de córregos a construções de grandes bacias de retenção e detenção de águas pluviais. São feitas vistorias, obras de contenção de encostas, limpezas de galerias, ampliação de redes de microdrenagem, urbanização de vias, remoção de famílias quando necessário e também a capacitação dos moradores das áreas de risco na cidade.

Em outra frente de trabalho, a Prefeitura investe em planejamento e gerenciamento de equipes para realizar estudos das bacias hidrográficas do município e captar de recursos para execução de grandes obras estruturantes.

No decorrer desta semana, o BH EM PAUTA vai apresentar os trabalhos desenvolvidos pela Secretaria Municipal de Obras e Infraestrutura, Superintendência de Desenvolvimento da Capital, Subsecretaria de Proteção e Defesa Civil, Urbel, SLU e BHTrans, a começar pelos trabalhos de manutenção das bacias e obras de grande porte executados pela Sudecap.
 

PBH realiza manutenção das bacias da cidade para prevenir inundações no período chuvoso

Já se preparando para o próximo período de chuvas e na prevenção de enchentes, a Superintendência de Desenvolvimento da Capital (Sudecap) realiza durante todo o período de estiagem a manutenção das bacias hidrográficas. As bacias têm a função de evitar que a chuva escoe diretamente para as redes de microdrenagem locais, evitando assim alagamentos e transbordos devido à insuficiência e vazão nos sistemas de drenagem, conforme explica o superintendente da Sudecap, Henrique Castilho.
Além de evitar o transbordamento dos córregos, essa ação também ajuda a diminuir os focos do mosquito Aedes Aegypti e evitar proliferação de pernilongos. De setembro de 2017 até agosto deste ano, a Prefeitura de Belo Horizonte já investiu aproximadamente R$ 5 milhões nesse trabalho.

Henrique Castilho conta que a manutenção é realizada nas onze bacias espalhadas nas nove regionais. “A manutenção preventiva e corretiva dos dispositivos de controle de cheias tornam-se medidas obrigatórias e prioritárias para o bom desempenho e a vida útil dos mesmos”, afirma Castilho. Em geral são feitos os serviços de capina e roçada, recomposição de taludes, retirada de resíduos no espelho d’água, desobstrução, recomposição da rede de drenagem superficial. As intervenções também contemplam recuperação de alguns dos passeios das pistas de caminhada e ciclismo, contenção em gabião no canal das bacias, recomposição de cercas, instalação de placas, reforma do gradil e, ainda, desassoreamento.

Os trabalhos já foram concluídos em sete bacias. São elas: a bacia da avenida Liege (Venda Nova), Vilarinho (Venda Nova), duas bacias na Várzea da Palma (Venda Nova), Lagoa Seca do Belvedere (Centro-sul), Assis das Chagas (Pampulha) e Parque Lagoa do Nado (Pampulha).  Atualmente, estão em andamento os serviços na Bacia do Bonsucesso (Barreiro), Jatobá (Barreiro), Engenho Nogueira (Noroeste) e na Barragem Santa Lúcia (Centro-sul).
 

Desassoreamento Barragem Santa Lúcia

Além dos 5 milhões investidos na manutenção das bacias de detenção, foi iniciada em junho deste ano  uma outra etapa do desassoreamento da Barragem Santa Lúcia, localizada no Parque Jornalista Eduardo Couri, regional Centro-Sul.  O objetivo é manter os níveis de água e capacidade de retenção da lagoa, que é de 100.000 m3 de água. A expectativa é a retirada de 10.000 m³ a 15.000 m³ de material assoreado (terra e vegetação) para que, depois de limpa, a barragem tenha seu espelho d’água restabelecido. O enchimento da lagoa ocorrerá naturalmente a partir da nascente existente, e o prazo depende da vazão da nascente e das condições climáticas. A Prefeitura está investindo cerca de R$ 1,8 milhão nesta obra.

Edméia Santiago, moradora do Alto Papagaio, faz caminhada no local. “A barragem vai melhorar muito, ela é muito importante pra gente que faz caminhada todo dia, como eu e toda a comunidade. É um lugar muito bonito de ser visto e ótimo para a gente conviver. Aqui é tudo maravilhoso e com essa obra acho que vai ficar melhor ainda”, disse.

Amarilis Sampaio, que também faz caminhada na barragem, concorda; “Aqui é um lugar maravilhoso e acho que vai ficar muito bom com essa obra. O ambiente aqui é muito bom para as pessoas, principalmente para caminhar perto da água,” conta.
 

Duas grandes obras de redução de riscos de inundações em andamento

Além dos serviços de manutenção das bacias de retenção e detenção existentes na cidade, a Sudecap executa as obras de grande porte construindo novas bacias de retenção e detenção, otimizando os sistemas de macrodrenagem das bacias hidrográficas da cidade, fazendo tratamentos de fundos de vale, urbanizando vias e implantando redes de drenagem mais extensas.

Atualmente estão em andamento as obras da bacia de detenção do córrego Túnel/Camarões no Barreiro e a implantação da bacia de detenção do Córrego São Francisco/Assis das Chagas, na regional Pampulha.

As obras da bacia de detenção do córrego Túnel/Camarões que foram retomadas em abril de 2017, estão em pleno andamento, já com o trecho de urbanização da avenida Sanitária entrando na reta final para que os moradores da região não sofram com a lama nas próximas chuvas. Este empreendimento é importante para reduzir os problemas de inundações na bacia do Arrudas e melhorar as condições sanitárias, proporcionando mais qualidade de vida à população da região do Barreiro.

Em outubro de 2017, a primeira das bacias executadas já apresentou funcionalidade, retendo volumes significativos de água no período chuvoso. A segunda bacia prevista no local está quase toda pronta e também apresentará funcionalidade já neste período chuvoso. Estão sendo investidos R$ 116 milhões, com recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) do Governo Federal.

Em abril deste ano, a Sudecap retomou as obras da Bacia de Detenção do Córrego São Francisco/Assis das Chagas, localizado na avenida Assis das Chagas, Vila Indaiá, na Regional Pampulha. A bacia terá capacidade para armazenamento de um volume de 66.000 m³ que, além de reduzir os riscos de enchentes na região, também vai minimizar os problemas que ocorrem no Aeroporto da Pampulha durante o período chuvoso. Estão sendo investidos aproximadamente R$ 21,3 milhões neste empreendimento.
 
Fonte: Site PBH

Nenhum comentário