Rio: polícia faz ação contra venda de cursos preparatórios piratas


A Polícia Civil do Rio de Janeiro cumpre hoje (21) nove mandados de prisão e 19 de busca e apreensão contra suspeitos de integrar uma organização criminosa especializada em piratear cursos preparatórios para concursos públicos e vendê-los pela internet. A operação Black Hawk está sendo realizada nos estados do Rio de Janeiro e Minas Gerais.

Segundo a Polícia Civil, o grupo invadia os sistemas e copiava os vídeos dos cursos oficiais, para depois revendê-los mais baratos em uma plataforma online. Enquanto os cursos oficiais custam entre R$ 10 mil e R$ 15 mil, na plataforma pirata eles tinham descontos de 10%.

Prejuízo e lucro

O grupo teria lucrado perto de R$ 15 milhões com o crime e causado um prejuízo de até R$ 65 milhões aos cursos oficiais, de acordo com estimativa da Polícia Civil. Eles são investigados pelos crimes de lavagem de dinheiro, associação criminosa, furto qualificado e violação de direito autoral.

As investigações constataram que, para ocultar a movimentação do dinheiro, o responsável pela plataforma usava parentes como laranjas, entre eles a própria mãe, proprietária de um salão de cabeleireiro, que teria movimentado R$ 1,5 milhão.

Os mandados estão sendo cumpridos nas cidades do Rio, Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, Niterói e São Gonçalo, na Região Metropolitana, e Saquarema e Araruama, na Região dos Lagos, além das cidades mineiras de Juiz de Fora e Borda da Mata.

Comentários

Drogaria Araujo

Mais lidas da semana

Presas de Caxambu trabalham em reforma da unidade prisional

Covid-19: Minas Gerais é o estado com menor taxa de óbito por 100 mil habitantes

Uerj e UFF voltam às aulas, de forma remota, em setembro

Aplicativo ajudará a rastrear contatos de infectados com covid-19

“Crie o Impossível” abre inscrições e convoca alunos de escolas públicas de todo o país