Austrália tem dia com mais óbitos pela covid-19 em 3 meses


A Austrália registrou seu maior número diário de mortes relacionadas ao novo coronavírus em três meses nesta quinta-feira (23), e as infecções novas pela doença continuaram a aumentar no segundo Estado mais populoso do país.

O Estado de Vitória confirmou mais 403 infecções, e cinco pessoas morreram devido à covid-19 nas últimas 24 horas.

As mortes, entre elas um homem de cerca de 50 anos, assinalam o maior aumento diário de óbitos por covid-19 no país desde o final de abril.

"Isto demonstra o fardo crescente que este vírus terrível está impondo à nossa comunidade", disse a ministra da Saúde, Jenny Mikakos, a repórteres na capital estadual, Melbourne.

Como as autoridades se mostram incapazes de fazer as infecções novas recuarem dos dígitos triplos, os moradores de Melbourne e da maior parte do Estado agora estão sendo obrigados a usar máscaras fora de casa.

Nacionalmente, a Austrália acumula cerca de 13 mil casos do novo coronavírus e 128 mortes.

O aumento de infecções novas surgiu depois que a nação começou a relaxar as medidas rígidas de confinamento impostas em meados de março.

Embora as regras de distanciamento social --que limitaram a circulação dos moradores e fecharam os negócios-- tenham desacelerado a disseminação do novo coronavírus, o secretário do Tesouro australiano, Josh Frydenberg, disse que estas abalaram fortemente a economia.

O governo informou nesta quinta-feira seu maior déficit orçamentário desde a Segunda Guerra Mundial, depois de se comprometer com um estímulo fiscal de cerca de 289 bilhões de dólares australianos, ou 14,6% do Produto Interno Bruto.

O orçamento sofreu um déficit gigantesco de 85,8 bilhões no período anual encerrado em junho de 2020 -- a previsão anterior era de superávit, disse Frydenberg.

Este déficit aumentará novamente no ano que vem, chegando a 184,5 bilhões de dólares australianos no período 2020-21.

"A Austrália está passando por uma crise sanitária e econômica diferente de tudo que vimos nos últimos 100 anos", afirmou Frydenberg a repórteres em Canberra.

Analistas acreditam que a economia reagirá nos próximos meses, à medida que a vida voltar a alguma espécie de normalidade, mas muito dependerá de as autoridades conseguirem conter novos surtos do vírus em Melbourne e Sydney, suas duas maiores cidades, mostrou uma pesquisa da Reuters.

Comentários

Drogaria Araujo

Mais lidas da semana

Presas de Caxambu trabalham em reforma da unidade prisional

Presidência da República registra 178 casos de covid entre servidores

Covid-19: Minas Gerais é o estado com menor taxa de óbito por 100 mil habitantes

Militares brasileiros em Beirute estão bem, diz Marinha

Polícia Federal faz operação contra fraudes nos Correios