Parque de Deodoro volta a receber equipe da canoagem slalom


A equipe brasileira de canoagem slalom chegou ao Rio de Janeiro nessa semana para a retomada dos treinos no Parque Aquático de Deodoro, localizado na Zona Oeste da capital fluminense. A delegação conta com seis atletas, entre eles Ana Sátila, classificada para participar de duas provas (canoa e caiaque), nos Jogos Olímpicos de Tóquio.

O Parque de Deodoro ficou fechado por mais de quatro meses em razão da pandemia do novo coronavírus (covid-19). Nesse período, grande parte do time brasileiro não pôde realizar o trabalho específico dentro da água.

“Há um mês, quando as conversas começaram a ficar mais concretas sobre a reabertura, já ficamos mais empolgados. A pista de Deodoro é incrível. Até fiz alguns trabalhos em Foz do Iguaçu, onde estou morando, mas não é a mesma coisa. Acredito que foi justamente na parte técnica, dentro da água, que mais perdemos durante a quarentena. Vou ter que me cuidar, até para não voltar tão animada e, de repente, me lesionar”, declarou a atleta à Agência Brasil.

As vagas para representar o Brasil em 2021 foram garantidas no Mundial disputado na Espanha, em setembro do ano passado. E não é exagero dizer que a mineira de 24 anos, que está na canoagem desde os nove, é uma das concorrentes a medalhas lá do outro lado do mundo. O currículo dela mostra isso. Entre outras conquistas, foi campeã do mundial júnior em 2014, foi vice no Mundial sub-23 em 2015 (conquistas no K1, caiaque). Já em 2017 faturou a primeira medalha brasileira em um mundial adulto (bronze no C1, canoa ) Na ocasião, ela ganhou também a prata no K1 Extremo (modalidade não olímpica, e que tem vários atletas competindo ao mesmo tempo). Em Olimpíadas, são duas participações, em 2012 e 2016. Nos Jogos de Londres, ela foi a mais nova da delegação brasileira, com 16 anos.

E agora, a um ano da abertura dos Jogos de Tóquio, ela sabe muito bem o que quer: medalhas. “Com certeza. Sempre foi isso, né? E de ouro. É o que mais sonho desde criancinha. Tive minhas quedas e vitórias. Hoje em dia, chego para a Olimpíada muito mais bem preparada”, afirmou.

Mesmo tendo começado a trajetória na canoagem na K1, atualmente, ela não tem uma modalidade preferida: “Só fui competir na C1 após uns três anos. Mas sempre fui apaixonada por ela. A K1 sempre foi mais competitiva, usa um pouco mais a força bruta. Não consigo escolher uma favorita. A C1 não era olímpica. Por isso não era tão desenvolvida em nível mundial. E depois que ela entrou no programa olímpico no ciclo dos Jogos do Rio isso começou a mudar. Vou para Tóquio bem preparada nas duas”.

No final do ano passado, ela pôde conhecer o local que vai receber as disputas da modalidade nos Jogos Olímpicos. No evento teste, em Tóquio, ficou em quarto na prova do C1 e sexto no K1. “A pista é bem parecida com a que usamos em Deodoro. Não consegui dar meu melhor na competição. Não me senti tão bem durante o torneio. Mas a experiência foi incrível. É uma bagagem que vai ser muito útil em 2021”, conclui.

Comentários

Mais lidas da semana

Presidência da República registra 178 casos de covid entre servidores

Queda no comércio global deve ficar em 13%, diz diretor-geral da OMC

Programa de estágio da SES-MG abre as portas para futuros médicos

Núcleos que atendem familiares de detentos voltam ao atendimento presencial

Jovens do Socioeducativo de Uberlândia aprendem profissões