Postagens

Mostrando postagens com o rótulo Cebola

Cenoura e cebola sofrem aumento de preços nas Ceasas brasileiras

Imagem
Produtos comuns à mesa do consumidor brasileiro, as hortaliças cenoura e cebola tiveram alta de preços de mais de 20% e 50%, respectivamente, nas Centrais de Abastecimento do país em abril, indicando que esses produtos deverão sofrer aumentos consideráveis nos supermercados nas próximas semanas. A análise está no 5º Boletim Hortigranjeiro, divulgado nesta terça-feira (15) pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Segundo o estudo, a cebola apresentou aumentos consideráveis em todos os mercados analisados e chegou a ficar 58,5% mais cara em Vitória/ES. A hortaliça também subiu de preço em mais cinco estados, como São Paulo (48,9%), Rio de Janeiro (48,5) e Recife (47,6), seguidos por Goiânia (43,7) e Belo Horizonte (26,2). No caso da cenoura, a alta de preços percorreu quase todas as centrais, com exceção de Goiânia, onde a redução chegou a 5,79%. Os aumentos chegaram a 24,75% em Vitória, 16% em Fortaleza e 11,6% no Rio de Janeiro. Frutas – Responsáveis pelos aumentos

Produção elevada derruba preços da cebola nas Ceasas

Imagem
A cebola continua sem pesar no bolso do consumidor. O produto apresentou a maior queda de preços dentre as hortaliças com maior representatividade na comercialização nas principais Centrais de Abastecimento (Ceasas) do país. Rio de Janeiro foi o estado com índice de queda mais expressivo, registrando baixa de cerca de 33%, seguido de São Paulo, Recife e Goiânia. Os dados estão no 10º Boletim Prohort, divulgado nesta quinta-feira (18), pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), com os preços de frutas e hortaliças das Ceasas. A tendência de preços baixo vem ocorrendo desde maio e se explica pela maior oferta no atacado. A grande produção está vindo sobretudo das regiões Sudeste, Nordeste e Centro-Oeste. A quantidade de cebola no mercado não é impactada com a maior exportação do produto, principalmente para o Paraguai e a Argentina, que chega a 18 mil toneladas até setembro, um aumento de 274% comparado com o mesmo período de 2017. Por outro lado, o mamão deve encarecer a