Postagens

Mostrando postagens com o rótulo pesquisa

Em 2018, um quarto da população estava abaixo da linha de pobreza

Imagem
  A Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) para o período de 2017 e 2018, divulgada hoje (25) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostra que a proporção de pessoas abaixo da linha de pobreza era em 2018 de 0,014 (ou 1,4% da população), considerando-se o valor de R$ 1,90/dia. A proporção de pessoas abaixo da linha de pobreza de R$ 5,50/dia era 0,121 (ou 12,1%). Se fosse tomada como base a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), os indicadores de pobreza mostrariam números mais altos: 6,5% para a proporção de pessoas abaixo da linha de R$1,90/dia e 25,3% para a proporção de pessoas abaixo de linha de R$ 5,50/dia, destacou a pesquisa. “Quando estratificamos a sociedade por área urbana e rural, conclui-se que apesar de a área rural ter apenas 14,7% da população, ela contribui com 34,6% de toda a pobreza estimada. Quando estratificamos por grandes regiões, fica claro que apesar de a Região Norte ter apenas 8,6% da popul

Florestas plantadas no Brasil alcançam 10 milhões de hectares em 2019

Imagem
  No ano passado, 3.523 municípios brasileiros registraram 10 milhões de hectares de áreas de florestas plantadas, sendo 7,6 milhões de hectares de eucaliptos, ou o equivalente a 76,3% do total; 2 milhões de hectares de pinus (19,8%); e 387 mil hectares de outras espécies (3,9%). Os dados são da pesquisa Produção da Extração Vegetal e da Silvicultura (PEVS 2019), divulgada hoje (15) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No total, 4.867 municípios tiveram produção florestal, cujo valor atingiu R$ 20 bilhões, com queda de 2,7% em comparação ao ano anterior, após três anos consecutivos de crescimento. A silvicultura participou com R$ 15,5 bilhões, retração de 5% em relação a 2018, enquanto a extração vegetal (coleta de produtos em matas e florestas nativas) ficou com R$ 4,4 bilhões, mostrando elevação de 6,4% em relação ao ano anterior. Os produtos madeireiros continuaram preponderantes no setor, respondendo por 97,3% do valor de produção da silvicu

Rebanho bovino cresce em 2019, influenciado pelo cenário externo

Imagem
A Pesquisa da Pecuária Municipal (PPM 2019), divulgada hoje (15) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostra que o rebanho de bovinos, com 214,7 milhões de cabeças e alta de 0,4%, foi superado no ano passado pelo de galinhas, com 249,1 milhões de cabeças e elevação de 1,7%. Os suínos somaram 40,6 milhões de cabeças, redução de 1,6%, na comparação com o ano anterior. De acordo com o IBGE, a pecuária brasileira teve em 2019 influência do contexto internacional. Abalada pela peste suína e visando a atender o mercado crescente interno, a China importou do Brasil 497,7 mil toneladas de carne bovina, expansão de 54,4% ante 2018, ao mesmo tempo em que aumentava a importação de carne suína em 61,7%, o que levou o Brasil a registrar 244,1 mil toneladas desse produto. O rebanho bovino nacional cresceu 0,4% em 2019, depois de dois anos de retração. A Região Nordeste e o estado de Mato Grosso responderam pelo leve incremento, com aumentos de seus plantéis da

Epamig oferece oportunidades de iniciação científica para jovens universitários

Imagem
  Com objetivo de incentivar o interesse pela ciência desde o início dos estudos nas universidades, a  Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig)  participa de programas de concessão de bolsas de iniciação científica para alunos de graduação. Os jovens são orientados por pesquisadores da empresa e as bolsas financiadas pelo  Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) .  Para ser um bolsista de iniciação científica da Epamig, o estudante precisa ter cursado, no mínimo, os dois primeiros períodos do curso. Além disso, os pesquisadores da empresa são os responsáveis por indicar os alunos para as bolsas. De acordo com o chefe do Departamento de Pesquisa (DPPE), Marcelo Malta, a iniciação científica traz inúmeros benefícios para a instituição e para os jovens.  "Os programas institucionais de bolsas de iniciação científica são muito importantes no apoio de projetos de pesquisa da Epamig. Nosso objetivo é despertar vocações, incenti

IBGE: prévia da inflação fica em 0,23% em agosto

Imagem
  O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) ficou em 0,23% em agosto. O indicador acumula alta de 0,90% no ano e de 2,28% em 12 meses. Os dados foram divulgados hoje (25), no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em julho de 2020, o índice ficou em 0,30% e, em agosto de 2019, a alta foi de 0,08%. Entre os nove grupos de produtos e serviços pesquisados pelo IBGE, sete tiveram alta em agosto. O grupo Transportes teve expansão de 0,75%, exercendo a maior pressão no índice, apesar da desaceleração em relação a julho, quando o aumento no grupo foi de 1,11%.  A principal influência da alta foram os preços dos combustíveis, que subiram 2,31%, com o maior impacto individual vindo da gasolina, que ficou 2,63% mais cara. O óleo diesel subiu 3,58% e o preço do gás veicular aumentou 0,47%. Já o etanol teve queda de 0,28%. O grupo Educação teve deflação de 3,27

Confiança da indústria cresce 8,4 pontos na prévia de agosto

Imagem
  O Índice de Confiança da Indústria cresceu 8,4 pontos na prévia de agosto, na comparação com o número final de julho. Com o resultado, a confiança chegou a 98,2 pontos, em uma escala de zero a 200, segundo dados da Fundação Getulio Vargas (FGV), divulgados hoje (20), no Rio de Janeiro. A confiança dos empresários no momento atual cresceu 8,1 pontos e chegou a 97,2 pontos. Já a expectativa dos empresários avançou 8,8 pontos e atingiu 99,3 pontos. O resultado preliminar mostra que o Nível de Utilização da Capacidade Instalada da Indústria subiu para 75,4%, 3,1 pontos percentuais acima do resultado de julho.

Embrapa e Academia Chinesa de Ciências elaboram agenda conjunta para colaboração em edição genômica de soja

Imagem
  A Embrapa e a Academia Chinesa de Ciências (CAS) realizaram, nos dias 18 e 19 de agosto, o primeiro workshop para elaboração de uma agenda conjunta de pesquisa e desenvolvimento na área de genômica avançada para a cultura da soja. A iniciativa é a primeira atividade após a assinatura, no ano de 2019, do memorando conjunto de entendimento entre a Embrapa e o Inaseed (Instituto de Genética e Desenvolvimento Biológico), da Academia Chinesa de Ciências, durante encontro dos presidentes da China e do Brasil em Pequim. O workshop discutiu a formação de um arranjo de pesquisa conjunto em soja, na área de genética, caracterização de germoplasma, edição genômica, uso de técnica de RNAi e genética funcional da soja. “O evento representa um avanço significativo na agenda bilateral de cooperação cientifica e tecnológica entre Brasil e China”, destaca Celso Moretti, presidente da Embrapa. A parceria com o Inaseed vem sendo negociada desde 2018 em uma ação que envolveu também o M

Novo teste amplia precisão do diagnóstico de dengue

Imagem
  Um grupo de pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), coordenado pelo professor Flávio Guimarães da Fonseca, acaba de desenvolver uma tecnologia de diagnóstico mais sensível às infecções pelo vírus da dengue. O projeto de pesquisa conta com apoio da Fapemig e tem como principal diferencial evitar a reação cruzada a outros vírus que causam sintomas muito parecidos, como o zika. A dengue segue como problema de saúde pública no Brasil e em Minas Gerais, que registrou 53.089 casos só nesse ano, de acordo com o último Boletim Epidemiológico de Monitoramento dos casos de Dengue, Chikungunya e Zika, divulgado pela Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) . Arquivo pessoal; a pesquisadora Alice Versiani  A pesquisadora Alice Versiani, autora do primeiro artigo sobre a pesquisa publicado no jornal científico Scientific Reports, explica que a metodologia tem grande limite de detecção, com capacidade para identificar concentrações mínimas de

Covid-19: 16% dos alunos da rede municipal paulistana foram infectados

Imagem
  Pesquisa feita a partir da testagem de alunos da rede municipal de ensino de São Paulo indicou que 16,1% das crianças e adolescentes entre 4 e 14 anos foram infectados pelo novo coronavírus e contraíram a doença. O percentual é maior do que entre a população geral da capital paulista que, segundo o estudo divulgado na semana passada, tem 10,9% de pessoas que já foram contaminadas pelo vírus. A pesquisa divulgada hoje (18) pela prefeitura foi realizada a partir de exames para indicar a presença de anticorpos em 6 mil dos 676 mil estudantes da rede de ensino municipal. Os jovens foram divididos em três grupos por faixa de idade: de 4 a 5 anos; de 6 a 10 anos; de 11 a 14 anos. O percentual dos que tiveram contato com o vírus variou de 16,5%, entre os mais jovens, a 15,4%, para os mais velhos. A pesquisa também mostrou que os alunos negros foram significativamente mais contaminados, com um percentual de 17,8

Energia elétrica é cara ou muito cara para 84% dos brasileiros

Imagem
  Oitenta e quatro por cento dos brasileiros, entrevistados pelo Ibope e pela Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia (Abraceel), consideram a energia elétrica cara ou muito cara. Para a Abraceel, o valor pago pelos consumidores tem se tornado mais evidente nas despesas das famílias, já que as pessoas que consideravam o preço caro ou muito caro no ano de 2014 – primeiro de realização da pesquisa – chegavam a 67%. O percentual atingiu a maior marca em 2014 (88%) e no ano passado (87%). A pesquisa ouviu 2 mil pessoas em todas as regiões do país, entre os dias 24 de março e 1º de abril. Considerando os dados deste ano, 55% dos entrevistados afirmaram que o alto preço é causado pelos impostos e 28% pela falta de concorrência no setor. “Hoje a energia elétrica é um dos serviços mais taxados, por uma razão muito simples: os governos estaduais têm muita facilidade em arrecadar imposto por meio da cont

Embrapa Soja seleciona bolsista de pós-doutorado em Biologia Molecular aplicada a tecnologia de RNAi tópico

Imagem
  A Embrapa está selecionando bolsistas de pós-doutorado em Biologia Molecular para atuar em projeto de pesquisa com aplicação de dsRNA de uso tópico. Os profissionais selecionados irão atuar no Laboratório de Biotecnologia Vegetal da Embrapa Soja. A bolsa, no valor de R$ 5.000,00, tem duração de 12 meses, a partir de agosto/2020, mas poderá ser estendida, dependendo do desempenho do bolsista e do projeto. O bolsista estará vinculado ao projeto "Produção de dsRNA via processo fermentativo e uso da tecnologia de RNA interferente (RNAi) para controle de ervas daninhas, percevejos, nematóides e doenças nas culturas agrícolas de importância econômica". Os detalhes dos trabalhos do bolsista serão definidos em conjunto entre o candidato selecionado e os pesquisadores participantes do projeto.  O candidato selecionado desenvolverá atividades voltadas ao desenvolvimento de estratégias para a síntese de moléculas de dsRNA ou shRNA e estratégias de entrega (delivery) de

Ciência do Solo em luto com a morte de Luiz Bezerra de Oliveira

Imagem
  Faleceu na manhã desta segunda-feira (17/8), em Recife (PE), aos 96 anos, o pesquisador aposentado da Embrapa Solos Luiz Bezerra de Oliveira, que lutava desde março contra uma doença degenerativa. Ele deixa a esposa Eneida e cinco filhas. O velório será realizado das 13h às 15h, no Cemitério Morada da Paz. Doutor Bezerra, como ficou conhecido, destacou-se por suas pesquisas em solos do Nordeste brasileiro, com ênfase em Física do Solo. Publicou mais de 60 trabalhos científicos, tornando-se referência obrigatória para quem estuda porosidade e água em solos nordestinos. Nasceu em Recife (PE), no dia 20 de julho de 1924. Formado Químico Industrial em 1946, tornou-se especialista em solos em 1955, pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ). Ao longo de sua carreira, trabalhou no Departamento Nacional de Obras contra as Secas (DNOCS), na Seção de Solos do Instituto Augusto Trindade de Souza, no Instituto de Pesquisas e Experimentação Agropecuárias do Nordes

Brasileiro descobre estrela que gira a 5 milhões de km/h

Imagem
  Uma equipe de pesquisadores liderados por um brasileiro descobriu uma estrela do tipo anã branca que precisa de apenas 29,6 segundos para completar um giro ao redor de si, o que a Terra demora 24 horas para fazer. Até então, o período de rotação mais curto já identificado entre estrelas do tipo era de 33 segundos. A estrela tem uma massa similar a do Sol e volume equivalente ao da Terra, o que faz dela uma estrela “extremamente densa”. Ela tem, como vizinha, uma outra estrela, de massa ligeiramente maior, da qual captura matéria. Juntas, formam o sistema binário CTCVJ2056-3014, movendo-se uma ao redor da outra, em formato e distância similares ao da Lua em relação à Terra. Para se ter uma ideia do quão rápido é o giro dessa estrela, basta compará-lo ao do nosso planeta, que em sua região central (linha do Equador) move-se a uma velocidade de 1.670 quilômetros por hora (km/h). “Essa estrela gira a uma velo

Cleria Inglis é a primeira mulher a chefiar a Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia

Imagem
Cleria Ingles: "Essa é e continuará sendo uma Unidade estratégica para o Brasil"   Pesquisadora da área de controle biológico tomou posse nesta segunda-feira (25), no mesmo dia que a UD completou 45 anos de existência "Somos um barco a remo atravessando um rio ou oceano. Contem comigo para fazer com que todos nós possamos fazer essa travessia juntos, remando no mesmo sentido, para chegarmos mais unidos ao nosso destino". A metáfora foi a forma escolhida pela pesquisadora Maria Cleria Valadares Inglis para simbolizar o seu compromisso com o mais novo desafio da sua carreira: assumir a chefia-geral da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia (Brasília-DF). A pesquisadora, especialista na identificação e avaliação de fungos agentes de controle biológico, será a primeira mulher a chefiar aquele centro de pesquisa da Embrapa. A solenidade de posse foi realizada no Auditório Assis Roberto de Bem, da Unidade, no último dia 25, às 9h30, com a presença do p

Produção industrial cresce 8,9% de maio para junho

Imagem
A produção industrial brasileira cresceu 8,9% em junho deste ano, na comparação com maio. Essa é a segunda alta consecutiva do indicador, que já havia registrado expansão de 8,2% em maio. Foi também foi a maior taxa de crescimento desde junho de 2018 (12,5%). Apesar disso, a indústria brasileira ainda não conseguiu recuperar totalmente as perdas sofridas em março e abril, causadas pela pandemia da covid-19, quando o setor caiu 26,6%. Os dados são da Pesquisa Industrial Mensal, divulgada hoje (4), no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Apesar da alta de maio para junho, a produção apresentou queda de 9% na comparação com junho de 2019. Houve ainda recuos de 10,9% no acumulado do ano e de 5,6% no acumulado de 12 meses. A alta de 8,9% na passagem de maio para junho foi puxada por 24 das 26 atividades industriais pesquisadas, em especial pela produção de veículos automotores, reboques e carrocerias, que teve um crescimento de 70% n

Plataforma gera estatísticas da covid-19 em 91 municípios paulistas

Imagem
Um projeto de pesquisadores das universidades Estadual Paulista (Unesp) e de São Paulo (USP) reúne diariamente os dados relacionados à pandemia do novo coronavírus (covid-19) em 91 cidades do estado. A partir dos dados disponibilizados pelas prefeituras, a plataforma gera informações que permitem o acompanhamento da evolução da doença em cada município e comparações entre eles. A iniciativa foi desenvolvida dentro do Centro de Ciências Matemáticas aplicadas à Indústria com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo. São compiladas informações como número de casos confirmados, destacados e mortes causadas pela doença desde o final de março. A partir dessas informações, a plataforma calcula informações como o crescimento do número de casos, o percentual de casos descartados e a quantidade de mortes para cada grupo de 100 mil habitantes. Previsões Segundo responsável pelo projeto, Wallace Casaca, professor da Unesp em Rosana, depois de alguns testes t

Novo coronavírus entrou mais de 100 vezes distintas no país

Imagem
Medidas como o fechamento de escolas e comércio, embora insuficientes, ajudaram a diminuir a taxa de transmissão do novo coronavírus no Brasil. Esse é um dos resultados de uma pesquisa levada a cabo por 15 instituições brasileiras em parceria com universidades britânicas e que realizou o sequenciamento de 427 genomas do novo coronavírus SARS-CoV-2. O estudo contou com amostras colhidas de pacientes positivos para a covid-19 entre os meses de março e abril, em 85 municípios de 21 estados brasileiros, e foi publicado hoje (23) na revista científica estrangeira Science. Segundo os pesquisadores, esse é o maior estudo de vigilância genômica da covid-19 na América Latina. Os pesquisadores combinaram dados genômicos da SARS-CoV-2, com dados epidemiológicos e de mobilidade humana para investigar a transmissão do vírus em diferentes escalas e o impacto das medidas de intervenção não farmacêuticas (INFs) no controle da epidemia no país, entre as quais o fechamento de escolas e

IBGE: auxílio emergencial chega a 29,4 milhões de domicílios

Imagem
Pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que cerca de 29,4 milhões de domicílios brasileiros, ou seja, 43% do total, receberam, em junho deste ano, algum tipo de medida de proteção social para enfrentar a crise causada pela pandemia do novo coronavírus, como o Auxílio Emergencial e o Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda. Na comparação com o mês anterior, foram mais 3,1 milhões de lares beneficiados. No mesmo mês, quase 50% da população (49,5%), aproximadamente 104,5 milhões de pessoas, moravam em domicílios nos quais, pelo menos, um integrante recebeu auxílio. Segundo o diretor-adjunto de pesquisas do IBGE,   Cimar Azeredo, foram distribuídos R$ 27,3 bilhões, sendo que metade da população brasileira, formada pelos estratos mais baixos de renda, recebeu 75,2% das transferências. “Direta ou indiretamente, esse contingente pode ter sido beneficiado com auxílio”, disse. Os dados constam da Pesquisa Nacional por Amostra

Brasileiro acredita que inflação ficará em 4,5% nos próximos 12 meses

Imagem
A expectativa mediana de inflação dos consumidores brasileiros para os próximos 12 meses ficou em 4,5%, de acordo com pesquisa realizada este mês pela Fundação Getulio Vargas (FGV). A taxa ficou abaixo dos 4,8% observados na pesquisa de junho e dos 5,3% de julho do ano passado. Os dados do estudo foram divulgados hoje (23) no Rio de Janeiro. Segundo a economista da FGV Renata de Mello Franco, o cenário que mistura situações como atividade econômica fraca e preços controlados (em geral) possibilita que a expectativa de inflação do consumidor se direcione cada vez mais para o consenso do mercado e para o centro da meta do Banco Central (hoje em 4%). Em julho, 17% dos consumidores projetaram valores abaixo do limite inferior da meta de inflação (inferior a 2,5%), a maior parcela nos últimos seis meses. Ao mesmo tempo, a proporção de consumidores que projetam acima da meta de inflação ficou em 42,8%, a menor parcela nos últimos seis meses.

Brasil participa de consórcio mundial para combate à covid-19

Imagem
Pesquisadores da Rede Ressonância Magnética Nuclear do Rio de Janeiro participam do consórcio internacional Covid-19-NMR, sediado em Frankfurt, Alemanha, que busca desvendar a estrutura das proteínas do novo coronavírus (Sars-CoV-2)  a fim de usá-la na triagem de drogas para tratamento da doença. O Brasil é o único país do Hemisfério Sul no consórcio, que reúne mais de 120 pesquisadores de 14 países. O grupo brasileiro é formado por pesquisadores da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), da Fundação Instituto Oswaldo Cruz (Fiocruz) e do Centro Multiusuário de Inovação Biomolecular da Universidade Estadual Paulista (Unesp), localizado em São José do Rio Preto. O projeto foi possivel graças a apoio financeiro de R$ 180 mil da Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Rio de Janeiro (Faperj). Betacoronavírus O grupo brasileiro associou-se ao consórcio em abril e estuda a proteína N (nucleocapsídeo) de dengue e zika. “Embora a proteína do coronavírus