Postagens

Mostrando postagens com o rótulo Petróleo

ANP retoma hoje 75º Leilão de Biodiesel

Imagem
  A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) retoma hoje (20) , no Rio de Janeiro, a Etapa 3 do 75º Leilão de Biodiesel (L75), conforme novo cronograma publicado na página dos leilões. A etapa havia sido suspensa no último dia 18 por força de decisão judicial, revertida após recurso da ANP.  www.anp.gov.br/distribuicao-e-revenda/leiloes-de-biodiesel/leiloes-de-biodiesel-interna/leiloes-com-entregas-em-2020 De acordo com a ANP, na Etapa 3 é realizada a seleção de ofertas, ou seja, o momento em que as distribuidoras começam a comprar o biodiesel ofertado pelos produtores nas etapas anteriores. No leilão, será considerado o percentual de 10% de mistura de biodiesel ao óleo diesel , de acordo com a redução excepcional e temporária realizada pela ANP para o período de 1º de setembro a 31 de outubro.  Segundo a agência, a medida foi necessária para dar continuidade ao abastecimento nacional, uma vez que a oferta de biodiesel para o período citado pode

Produção no pré-sal passa de 70% do petróleo e gás extraídos no país

Imagem
  Pela primeira vez, a produção de petróleo e gás natural no pré-sal ultrapassou 70% da produção nacional, alcançando cerca de 2,738 milhões de barris de óleo equivalente por dia, em julho. De acordo com a Pré-Sal Petróleo S.A. (PPSA), empresa vinculada ao Ministério de Minas e Energia, a produção corresponde a 70,26% do total registrado no país, de 3,898 milhões de barris por dia. De acordo com a PPSA, a produção já vinha se aproximando dos 70% nos meses anteriores. Em junho, por exemplo, a produção na região do pré-sal somou 2,671 milhões de barris por dia, o correspondente a 69,9% do total nacional. Em maio, foram produzidos 2,363 milhões de barris diários, equivalentes a 67,82% do total nacional. A PPSA informou ainda que o Campo de Lula, na Bacia de Santos, manteve a liderança na produção de petróleo e gás natural no pré-sal, com média diária de 987.510 barris de petróleo e 43,150 milhões de metros cú

Pandemia derruba produção de petróleo em maio

Imagem
A produção de petróleo no Brasil diminuiu 6,5% em maio de 2020, na comparação com abril, e aumentou 1,3% na comparação com o mesmo período de 2019. A produção de gás natural caiu 7,8% na comparação mensal e diminuiu 3% na comparação anual. Os dados estão no Boletim Mensal da Produção de Petróleo e Gás Natural, divulgado  hoje  pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). A produção nacional no mês  de maio  foi de 3,485 MMboe/d (milhões de barris de óleo equivalente por dia), com um total de 2,765 MMbbl/d (milhões de barris por dia) de petróleo e 114 MMm3/d (milhões de m3 por dia) de gás natural. Segundo a agência, os principais motivos da queda na produção foram a parada dos navios plataforma (FPSOs, da sigla em inglês) Mangaratiba e Cidade de Angra dos Reis e a restrição na produção das plataformas P-67, P-74 e P-76. “Durante o mês  de maio , 34 campos tiveram a suas respectivas produções interrompidas temporariamente devido aos efeitos da

Pandemia derruba produção de petróleo em maio

Imagem
A produção de petróleo no Brasil diminuiu 6,5% em maio de 2020, na comparação com abril, e aumentou 1,3% na comparação com o mesmo período de 2019. A produção de gás natural caiu 7,8% na comparação mensal e diminuiu 3% na comparação anual. Os dados estão no Boletim Mensal da Produção de Petróleo e Gás Natural, divulgado  hoje  pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). A produção nacional no mês  de maio  foi de 3,485 MMboe/d (milhões de barris de óleo equivalente por dia), com um total de 2,765 MMbbl/d (milhões de barris por dia) de petróleo e 114 MMm3/d (milhões de m3 por dia) de gás natural. Segundo a agência, os principais motivos da queda na produção foram a parada dos navios plataforma (FPSOs, da sigla em inglês) Mangaratiba e Cidade de Angra dos Reis e a restrição na produção das plataformas P-67, P-74 e P-76. “Durante o mês  de maio , 34 campos tiveram a suas respectivas produções interrompidas temporariamente devido aos efeitos da

Bolsa sobe 7,1%, e dólar cai para R$ 4,64 em dia de recuperação

Imagem
Depois de um dia de perdas históricas e pânico global, a Bolsa de Valores recuperou parte das perdas, e o dólar teve a maior queda diária em seis meses. O dólar comercial encerrou esta terça-feira (10) vendido a R$ 4,646, com recuo de R$ 0,08 (-1,69%). Em termos percentuais, foi a maior queda diária desde 4 de setembro do ano passado, quando a divisa tinha caído 1,79%. Pelo segundo dia seguido, o Banco Central (BC) vendeu dólares das reservas internacionais para acalmar o mercado. A autoridade monetária vendeu US$ 2 bilhões no mercado à vista. Para amanhã (11), o BC anunciou a venda de US$ 1 bilhão em contratos de swap cambial, que funcionam como venda de dólares no mercado futuro. O dólar acumula alta de 15,77% em 2020. Depois de ter recuado 12,17% ontem (9), o índice Ibovespa fechou o dia com alta de 7,14%, aos 92.214 pontos, maior alta para um único dia desde janeiro de 2009. As ações da Petrobras, que caíram quase 30% ontem, também se recuperaram. Os papéis ordinários (com voto e

Bolsas de Valores da Europa sobem 3%, mas a de Tóquio cai

Imagem
As principais bolsas de valores da Europa tiveram hoje (10) uma subida de 3% depois da forte queda de segunda-feira, relacionada com os efeitos do novo coronavírus na economia mundial e pela redução nos preços do petróleo, a maior desde 1991, ano da primeira guerra do Golfo. Na Bolsa de Valores de Tóquio, os preços das ações continuaram caindo nesta terça-feira em vista das preocupações com o surto do novo coronavírus que poderá afetar seriamente a economia global. O índice Nikkei caiu, temporariamente, registrando, pela primeira vez em 15 meses, uma baixa inferior a 19 mil pontos em um dia. A sessão matutina terminou em 19.405 pontos, com uma queda de 293 pontos em comparação ao fechamento de segunda-feira.

Bolsa cai 12%, e dólar fecha em R$ 4,72 em dia de pânico global

Imagem
Em um dia de pânico no mercado financeiro global, o dólar aproximou-se de R$ 4,80, mesmo com o Banco Central (BC) vendendo a moeda das reservas internacionais. A bolsa de valores brasileira, a B3, caiu 12%, chegando a ter os negócios interrompidos durante a manhã. O índice Ibovespa fechou o dia com recuo de 12,17%, aos 86.067 pontos, retornando aos níveis de dezembro de 2018. Essa foi a maior queda para um único dia desde setembro de 1998, quando a Rússia declarou moratória. O dólar comercial encerrou esta segunda-feira (9) vendido a R$ 4,726, com alta de 1,97%, R$ 0,091, no maior valor nominal desde a criação do real. O BC interveio no mercado duas vezes. Pela manhã, a autoridade monetária vendeu à vista US$ 3 bilhões das reservas internacionais. À tarde, vendeu mais US$ 465 milhões, embora tenha oferecido até US$ 1 bilhão. Até a semana passada, o BC estava apenas leiloando novos contratos de swap cambial, que funcionam como venda de dólares no mercado futuro. Circuit breaker Pe

Entenda as causas da queda das bolsas de valores no mundo

Imagem
Em uma tarde tensa no mercado financeiro global, o dólar aproxima-se de R$ 4,75, e a bolsa de valores do Brasil, B3, volta a registrar queda superior a 11%, depois de ter os negócios interrompidos pela manhã. Às 16h, o índice Ibovespa acumulava recuo de 11,26%. O dólar comercial era vendido a R$ 4,745, com alta de 2,39%, R$ 0,11, depois de o Banco Central entrar no mercado pela segunda vez no dia. Pela manhã, a autoridade monetária vendeu US$ 3 bilhões das reservas internacionais à vista. Agora à tarde, vendeu mais US$ 465 milhões das reservas. Circuit breaker Pela manhã, a B3 chegou a ter as negociações interrompidas por 30 minutos porque o Ibovespa tinha caído mais de 10%. Esse é o chamado circuit breaker, mecanismo acionado quando o índice cai mais que determinado nível. A última vez em que a bolsa tinha tido as negociações interrompidas foi em maio de 2017, após a divulgação de conversas do então presidente Michel Temer com o empresário Joesley Batista, dono da JBS. A B3 pode

Bolsas europeias tem maior queda em 8 meses

Imagem
As ações europeias terminaram em uma mínima de oito meses nesta segunda-feira (9), afundando a território baixista depois que uma queda expressiva nos preços do petróleo aprofundou as preocupações de que uma recessão global possa se seguir ao surto de coronavírus. O subíndice de petróleo e gás sofreu as maiores perdas, com uma queda de quase 17% depois que os preços do petróleo perderam um terço de seu valor devido às preocupações com a guerra de preços entre a Arábia Saudita e a Rússia. O índice FTSEurofirst 300 caiu 7,59%, a 1.324 pontos, enquanto o índice pan-europeu STOXX 600 perdeu 7,44%, a 340 pontos, pior dia desde a crise financeira de 2008 e 2009. A queda significou uma virada para um território baixista, implicando uma queda de mais de 20% do índice em relação a seus picos recentes. As empresas europeias perderam agora quase US$ 3 trilhões de dólares em valor desde que a rápida disseminação do coronavírus provocou uma liquidação mundial em fevereiro, conforme o surto parece

Ibama diz ter recolhido 60 toneladas de resíduos de mancha de óleo em praias do Sergipe

Imagem
Estado foi um dos mais afetados com a chegada do produto, com cerca de 12 praias atingidas em seis cidades, incluindo a capital Aracaju. Governo sergipano publicou um decreto no Diário Oficial do Estado de situação de emergência e um gabinete de crise foi instalado.

ANP institui programa para monitorar qualidade de combustíveis do país

Imagem
A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) quer melhorar a qualidade de combustíveis comercializados no país. Com esse objetivo, a ANP editou a Resolução nº 790, de 10 de junho de 2019, publicada no Diário Oficial da União desta terça-feira (11), instituindo o Programa de Monitoramento da Qualidade dos Combustíveis. O programa estabelece, entre outras diretrizes, os requisitos para o credenciamento de laboratórios que farão as análises dos seguintes combustíveis: etanol hidratado, gasolina C e óleo diesel B. Os resultados obtidos pelo programa serão utilizados para geração de indicadores da qualidade dos combustíveis líquidos automotivos comercializados no território nacional. “O laboratório credenciado não poderá ter vinculação, nem possuir em seu corpo administrativo ou social pessoas diretamente ligadas a produtores de combustíveis ou agentes econômicos ou instituições a eles vinculadas, tais como sindicatos e associações”, diz a resolução. O documento es

ANP desinterdita Refinaria de Paulínia após mais de quatro meses

Imagem
A Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustível (ANP) desinterditou hoje (16) a Unidade de Destilação Atmosférica U-200 da Refinaria de Paulínia (Replan), em São Paulo, que foi uma das três unidades atingidas pelo acidente na refinaria em agosto de 2018. A desinterdição, segundo a ANP, ocorreu porque a Petrobras atendeu todas as exigências feitas pelo órgão regulador. “Dessa forma, a refinaria volta a ter sua capacidade plena de processamento”, informou em nota a ANP. Em novembro de 2018, tinha sido liberada a Unidade de Craqueamento Catalítico U-220A. Agora apenas a Unidade de Tratamento de Águas Ácidas U-683, permanece interditada. De acordo com a ANP, ela “não interfere na capacidade de processamento da refinaria, uma vez que há outras unidades que suprem essa finalidade”. A ANP afirmou que continua investigando o acidente.   Por Cristina Indio do Brasil   Fonte: Agência Brasil  

Cemig coloca à venda participação em consórcios para exploração de petróleo e gás

Imagem
Dando continuidade ao Programa de Desinvestimento, iniciado em 2017, a Cemig fará, no próximo dia 18 de janeiro, uma oferta pública das cotas de participação que possui nos Consórcios de Exploração de Petróleo e Gás Natural em cinco blocos, quatro deles localizados na Bacia do São Francisco, no Norte de Minas, e um na Bacia do Recôncavo, na Bahia. Atualmente, os trabalhos se encontram na etapa de prospecção, com expectativa de existência de reservas de gás no São Francisco e de petróleo no Recôncavo. A concessão para exploração das áreas foi obtida pela Cemig, em consórcio com outras empresas, na 10ª Rodada de Licitações promovida pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), em 2008. Em cada consórcio, a Cemig possui participação de 24,5%, e, em todos eles, já foram realizadas as atividades previstas no Programa Exploratório Mínimo, conforme compromisso assumido junto à ANP. Em 2017, a Diretoria da Cemig anunciou uma trajetória de desi

Nova área do pré-sal tem viabilidade para exploração de petróleo

Imagem
O TCU aprovou o 1º estágio de desestatização da 5ª rodada de licitações para outorga de blocos para exploração de petróleo e gás natural. O regime é o de partilha. Em decorrência da atuação do TCU, o CNPE alterou os parâmetros econômicos do certame, aumentando as alíquotas mínimas de partilha de dos blocos Saturno e Titã. O Tribunal de Contas da União (TCU) aprovou o primeiro estágio de desestatização referente à 5ª rodada de licitações para outorga de blocos, em áreas do pré-sal, para exploração e produção de petróleo e gás natural. A exploração se dá em regime de partilha de produção e a licitação foi realizada pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). O relator do processo no TCU é o ministro Aroldo Cedraz. O primeiro estágio refere-se aos estudos de viabilidade técnica e econômica utilizados na modelagem e na precificação dos blocos a serem outorgados. No regime de partilha, as empresas petrolíferas vencedoras dos leilões de campos de petróleo pagam

Produção do pré-sal cresce 3,3%, diz a ANP

Imagem
A produção dos campos brasileiros do pré-sal em julho totalizou 1,821 milhão de barris de óleo equivalente (petróleo e gás natural), um aumento de 3,3% em relação a junho. Os dados foram divulgados hoje (3), no Rio de Janeiro,  pela Agência Nacional do Petróleo e Gás Natural (ANP). Segundo a ANP, em julho os campos do pré-sal produziram 1,454 milhão de barris de petróleo por dia e 58 milhões de metros cúbicos diários de gás natural, por meio de 87 poços. Com o aumento da produção em junho, os campos do pré-sal passaram a responder por 55,1% de toda a produção nacional. A produção total de petróleo e gás natural nas bacias sedimentares do país em julho foi de aproximadamente 3,305 milhões de barris de óleo equivalente por dia. A produção de petróleo atingiu 2,575 milhões de barris de petróleo por dia, uma queda de 0,6% na comparação com o mês anterior, e de 1,8% em relação a julho do ano passado. Já a produção de gás natural somou 116 milhões de metr