Postagens

Mostrando postagens com o rótulo Samarco

Justiça define indenização para atingidos por desastre em Mariana

Imagem
A Justiça de Minas Gerais definiu o valor mínimo das indenizações que os atingidos pelo rompimento da barragem do Fundão, em 2015, em Mariana, devem receber das mineradoras que atuam na região. Pela decisão, diversas categorias de trabalhadores cuja renda ficou comprometida pelo desastre devem receber entre R$ 23 mil e R$ 94 mil em danos morais e materiais. A quantia varia conforme as condições específicas estabelecidas para cada categoria. Dezenove pessoas morreram na tragédia.   A sentença foi proferida nos dias 1º e 9 de julho pelo juiz Mário de Paula Franco Júnior, da 12ª Vara Federal em Belo Horizonte, e foi divulgada ontem (20). As decisões valem para os trabalhadores atingidos que estão nos municípios de Naque, em Minas Gerais, e Baixo Gandu, no Espírito Santo, localizados ao longo do Rio Doce, que recebeu rejeitos em decorrência do rompimento da barragem.  O magistrado reconheceu que tiveram suas atividades econômicas atingidas pelo desastre e têm direito à ind

Reconstrução de distrito destruído na tragédia de Mariana tem avanço

Imagem
A Fundação Renova anunciou hoje (16) o início da terraplanagem para instalação dos escritórios, sanitários, refeitórios e ambulatório do canteiro de obras para reconstrução de Paracatu. Trata-se de um dos distritos de Mariana (MG) destruídos pela lama liberada no rompimento da barragem da mineradora Samarco, em novembro de 2015. A conclusão da implantação do canteiro, entretanto, não é suficiente para o início das obras. Ainda são necessários o aval dos órgãos de licenciamento urbanístico e a conclusão da análise ambiental. A criação da Fundação Renova foi definida em acordo firmado no início de 2016 entre a União, os governos de Minas Gerais e Espírito Santo, a Samarco e suas acionistas Vale e BHP Billiton. Cabe a ela, com recursos das empresas, reparar todos os danos ambientais e socieconômicos decorrentes do episódio. Enquanto não concluir o reassentamento das famílias desabrigadas, a Fundação Renova dever arcar com os custos dos imóveis alugados para abrigá-los. A reconstrução d