Postagens

Mostrando postagens com o rótulo Trabalho Escravo

Primeira fiscalização do ano contra trabalho escravo resgata 4 trabalhadores em Minas

Imagem
Três homens e uma mulher trabalhavam sem registro em carteira e em condições degradantes em carvoaria O Grupo Especial de Erradicação do Trabalho Escravo resgatou na última semana quatro trabalhadores submetidos a trabalho análogo ao de escravo em uma carvoaria em Córrego Danta (MG), município a 236 quilômetros de Belo Horizonte. De acordo com o coordenador da ação, o auditor fiscal do Trabalho, Marcelo Campos, as condições encontradas eram de fácil caracterização de trabalho escravo. “O empregador produzia carvão para ser vendido à siderúrgica Usipar Indústria e Comércio, localizada em Pitangui, porém os trabalhadores não estavam com o devido registro e não era fornecido a eles qualquer equipamento de proteção individual para execução das tarefas laborais, estavam sem alimentação, bebiam água de poço e dormiam em barracos de lona, expostos a intempéries e sem a garantia de nenhum direito trabalhista", afirmou. Os trabalhadores eram alojados na própria fazenda sem as mínimas co

MPF defende manutenção da condenação de responsáveis por trabalho escravo na Usina Gameleira

Imagem
Mais de 400 trabalhadores foram submetidos a jornadas exaustivas e condições degradantes em Mato Grosso Para o Ministério Público Federal, deve ser mantida a decisão que condenou Eduardo de Queiroz Monteiro e Antônio Francisco Custódio por reduzirem cerca de 400 trabalhadores à condição análoga à de escravos, na Destilaria Gameleira, em Confresa/MT. Os réus ocupavam os cargos de diretor e gerente administrativo da empresa, respectivamente, e recorreram ao Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) para reverter a sentença que estabeleceu uma pena de 12 anos de reclusão e 360 dias-multa para cada um. Segundo a denúncia, julgada parcialmente procedente pela 5ª Vara Federal de Mato Grosso, os dois envolvidos associaram-se, em abril ou maio de 2005, com a finalidade de aliciar e trazer mais de 400 trabalhadores do estado do Maranhão para o corte de cana nas lavouras da Gameleira. Depois, submeteram os lavradores a trabalhos forçados, jornadas exaustivas e condições